Mesut Ozil anuncia adeus à selecção alemã e fala em racismo

Anúncio surpreendente de Mezut Ozil. O jogador do Arsenal acaba de revelar que vai deixar de representar a Alemanha.

«Não voltarei a jogar pela Alemanha enquanto sentir que sou alvo de racismo e desrespeito», disse o médio criativo que apontou na direcção do Presidente da Federação alemã:

«O que mais me frustrou nos últimos meses foi o tratamento que recebi da Federação alemã, e em particular do presidente da Federação, Reinhard Grindel. Depois da fotografia que tirei com o presidente Erdogan, foi-me pedido por Joachim Low que encurtasse as férias e regressasse a Berlim para emitir um comunicado a esclarecer toda a polémica. Quando tentei falar com Grindel sobre a minha herança cultural, sobre a minha história, ele estava mais interessado em falar sobre as suas crenças políticas.

Não vou continuar a ser um bode expiatório para a incompetência de Grindel. Sei que me queria fora da equipa depois daquela fotografia e disse isso mesmo nas redes sociais, mas Joachim Low defendeu-me. Aos olhos de Grindel, sou alemão quando vencemos e um imigrante quando perdemos.

O tratamento que recebi por parte da Federação alemã faz com que não queira vestir mais a camisola da seleção. Sinto-me indesejado e sinto que tudo o que conquistei desde a minha estreia, em 2009, foi esquecido.»

Tudo isto terá começado depois de Ozil e Gundogan terem tirado uma foto com o presidente da Turquia antes do Mundial. Erdogan usou isso como campanha eleitoral. Os dois médios têm origens turcas mas a situação provocou alguma polémica.

EM ACTUALIZAÇÃO